mon_1

 

 

 

A Mónica nasceu em Abril de 2007 com 28 semanas de gestação e com 740 gramas de peso

 

 

 

mon_4


.

 

Após um período de internamento de cerca de 2 meses e meio a Mónica foi para casa

 

 

 

 

 

.
Este é o testemunho da mãe da Mónica:

mon_2"Olá eu sou a Inês, tenho uma menina chamada Mónica que nasceu em Abril de 2007 com 28 semanas de gestação 34cm de comprimento e 740g!
Após 6 anos  a tentar engravidar e depois de fazer todos os tratamentos possíveis estava quase a desistir.... fui a mais uma consulta de infertilidade (já sem vontade nenhuma), a Dr sugeriu fazer outra  Inseminação Artificial, já tinha feito uma no ano anterior sem sucesso..... fez  as perguntas de rotina para iniciar a medicação .... quando perguntou a data do último período  disse-lhe que  estava atrasado uma semana mas que já era o costume (nunca fui certa), pelo sim pelo não fez o teste á urina,  algo também já habitual quando surgiu a enfermeira com o resultado nem eu nem o meu marido e nem a médica estava á espera que fosse ....POSITIVO.
Nem sei descrever por palavras as emoções desse momento, foi o dia mais feliz da minha vida.
Nunca pensei que depois de tanto tempo ia acabar por engravidar naturalmente, sem tratamentos! Fizemos uma ecografia na hora mas não se via nada, tirei sangue para confirmar e sim, estava realmente grávida mas de tão pouco tempo que ainda nem se via..... passados 15 dias fiz nova ecografia para ver se o pimpolho já se via .... estava muito nervosa poque tinha medo que não estivesse lá nada, nem olhei para o monitor, perguntei á Dr e á Enf "então? Está aí alguma coisa!???"mon_3
Sim estava ..... eram GEMEOS, Verdadeiros.
Nem preciso de dizer que esta segunda novidade me deixou a rebentar de alegria!Foi uma felicidade imensa para nós, os nossos pais e restantes familiares ficaram muito contentes pelo sucedido.
O tempo foi passando e a gravidez corria com normalidade; ás 18 semanas fui fazer outra eco e posso dizer que esse dia podia ter sido outro de imensa felicidade quando a Dr nos disse que eram duas meninas (sempre desejei uma menina e tive duas) mas logo de seguida foi detectado um problema muito grave na placenta chamado Síndrome de Transfusão Feto Fetal. O sangue não estava a ser distribuído de forma igual para as duas sendo que uma recebia o sangue e dela passava para a outra, o que provocava que uma tivesse sangue a mais e outra a menos e que em questão de pouco tempo ia matar as duas ..... como este problema é muito raro e só acontece em gravidez de gémeos verdadeiros não há tratamento em Portugal .....
Fui a França tentar salvar as minhas filhas .............. fiz uma operação a laser para tentar reestablecer a correcta circulação sanguínea, a operação é muito delicada e tem pouca percentagem de sucesso mas é a única forma de tentar salvar os bébés ........ infelizmente uma das minhas meninas morreu ........ voltei para Portugal com duas filhas na barriga ...uma morta e a outra viva, e tinha que ser assim até á 34 semana de gestação, data para a qual foi sugerida a cesariana para evitar mais complicações.
Nem preciso dizer o que passei, a angústia que sentia sempre que caía em mim e pensava na minha situação........... estava a ser vigiada todas as semanas para assegurar que a menina estava a crescer bem e não estava a ser afectada pela bébé morta ...
Quando fui fazer a ecografia na 28 semana o mundo voltou a cair na minha cabeça, a minha filha estava em perigo de vida, o cordão umbilical da outra enrolou-se á volta dela de tal forma que cortou a circulação do seu cordão e impedia que lhe chegasse sangue e alimento, o coração dela estava a dar sinais de fraqueza ..... já não saí do hospital, foi feita uma cesariana de emergência, chorei sempre até adormecer com a anestesia ..... e foi desta forma atríbulada que nasceu a minha querida filha MÓNICA .... tão pequenina como eu nunca pensei ver na minha vida..... tão frágil naquela incubadora ..... mas foi uma lutadora....
Precisou de ajuda respiratória porque não houve tempo para tomar as injecções ..... sofreu muito e nós também.
Aos 10 dias de vida teve uma infecção respiratória que quase a levou mas graças a Deus passou, mas provocou uma maior e mais prolongada dependência da ajuda  respiratória........ Levou uma transfusão sanguínea por causa de tantas análises .......... foram 71 dias de angústia mas conseguimos, a minha filha é uma vencedora tenho muito orgulho nela por ter conseguido ultrapassar todos os obstáculos que surgiram no seu caminho, tanto dentro da minha barriga como cá fora ..... ela queria mesmo viver...!
Hoje já com um ano está linda de morrer, tem nove meses de idade corrigida, tem evoluído bem, palra muito e faz as suas gracinhas... um amor!
Desde que está em casa que tem sido sempre saudável,Graças a Deus, só teve febre uma vez e passou, por vezes fica constipada mas de resto não tenho razões de queixa. Agradeço ao pessoal médico e de enfermagem do Hospital de Gaia que muito me ajudaram desde que engravidei até á Mónica nascer e durante o seu internamento na Neonatologia, um agradecimento especial á minha GO a Dra Manuela Pinho que soube ser profissional e humana nos momentos certos, uma verdadeira amiga, á Dr Conceição que nos acompanhou a  França e nos ajudou num momento muito difícil e ao Dr. Valente que acompanhou as ecografias desde que se detectou o problema e nos informou da gravidade da situação no  dia em que ela teve que nascer e foi ele que fez a cesariana.
Tive vontade de partilhar a minha história com outros pais que sei que compreendem os meus sentimentos pois também passaram por problemas parecidos, e também para aqueles que procuram por esperança como também já procurei um dia, a possam encontrar ao ler o nosso testemunho.
                   
                                                                                                                                         Inês e Mónica"

 

mon_5
. mon_6

 
Fotografias cedidas pelos pais da Mónica

Ser Prematuro®  2007 - 2017                                                                                                                                              O autor agradece  a colaboração de todos os pais