Francisco 1

 

 

O Francisco nasceu em Outubro de 2007 com 32 Semanas de gestação e com 1975 gramas de peso.

 

 

 

 

 

Francisco 2



 

 

Após um período de internamento de cerca de um mês o Francisco foi para casa

 

 

 

 

Este é o testemunho da mãe do Francisco:
"Eu estava grávida de 32 semanas. A gravidez estava a ser acompanhada por um médico obstetra e estava a correr muito bem. No entanto, Francisco 3na última ecografia morfológica, o médico que a realizou aconselhou-me a fazer uma ressonância magnética fetal para despiste de um eventual problema.
Como é evidente, tanto eu como o meu marido - o Jorge – ficámos angustiados, com muito medo de que alguma coisa não estivesse bem com o bebé. Felizmente, estava tudo bem. O médico ligou-me no dia 25 de Outubro a confirmar a boa nova.
No dia 26, sexta-feira, depois de um dia de trabalho agradável e com o fim-de-semana à porta, vim para casa. Passados poucos minutos comecei a sentir-me mal: um desconforto ao fundo das costas e uma dor forte na barriga. As dores intensificaram-se e o Jorge levou-me ao Hospital de Famalicão.

No Bloco de Partos examinaram-me e estava tudo bem com o bebé. Os médicos suspeitavam de uma apendicite ou de cólicas renais…  Às 3h30min a bolsa das águas rebentou e voltei a ser examinada. Quando o médico me disse que o bebé ia nascer, eu não podia acreditar no que acabara de ouvir.

Ainda no hospital deram-me uma injecção para amadurecer os pulmões do bebé e fui, de imediato, transferida para o Hospital de Guimarães, pois o de Famalicão não recebia prematuros com menos de 34 semanas. Estive sempre com contracções e às 12h25min o Francisco nasceu de cesariana, com 1975g e 41 cm.
O bebé foi internado no serviço de Neonatologia do hospital. Só o vi no dia seguinte e… quase desmaiei. Nós sabíamos que ele  tinha  de  ir para uma incubadora, mas nunca pensámos vê-lo daquela maneira. Apercebemo-nos de que a sua situação não era boa e tudo graças a um vírus (que ninguém sabe qual e como apareceu) que o infectou. Eu pensei que Deus me tinha abandonado.
Não conseguia conformar-me com tudo o que me estava a acontecer. Primeiro, fiquei sem a minha barriga de grávida inesperadamente. Depois, ainda não tinha preparado o enxoval do bebé, ia começar nesse fim-de-semana, e ver o meu filho a sofrer… Foi muito difícil! Chorei muito, muito. Além disso, nada tinha acontecido como eu tinha sonhado e ver a felicidade das outras mães com os seus bebés nos berços pareceu-me viver num mundo completamente diferente e cruel.
Jorge foi um marido muito presente enquanto estive internada e depois como pensionista. Ele foi para o hospital todos os dias, onde fazia  as refeições comigo e partilhávamos alegrias e preocupações. Se não fosse ele e a onda de solidariedade que invadiu o meu  telemóvel, eu não teria conseguido ser tão forte.
Temos muito a agradecer a toda a equipa de enfermeiros e auxiliares do serviço de Obstetrícia, pois permitiram-me ficar a viver no hospital e também a toda a equipa de enfermeiros, médicos e auxiliares do serviço de Neonatologia. Graças a estes, tudo foi bem mais fácil e o nosso filho superou as dificuldades. Com esta nova experiência de vida conhecemos outros casais com os filhos prematuros no serviço. Fizemos amigos e hoje trocamos novidades. Conheci mães fabulosas: a Andreia, a Cidália, a Elisabete, a Cristina, a Paula e tantas outras.
Não precisávamos de passar por isto para valorizarmos a rotina do dia-a-dia, mas sem dúvida que o serviço de Neonatologia foi uma escola e tudo isto uma lição para a vida.
O Francisco começou a ganhar peso. Esteve uma semana e alguns dias nos Cuidados Intensivos, depois foi para a sala dos Cuidados Intermédios, ainda na incubadora. Alguns dias mais tarde foi para um berço e, nos dias que seguiram, aprendeu a mamar autonomamente e veio para casa no dia 23 de Novembro de 2007 com 2375g.

Hoje, o nosso bebé tem 5 meses (idade real), pesa 7255g e mede 65cm. Está um homenzinho!
Felizmente, tudo correu bem até hoje e somos uma família muito feliz com o nosso bebé prematuro.
A todos os pais que estão a viver este drama: Não desistam de lutar!
Tudo muda, tudo passa!
Ao enfermeiro Paulo um abraço especial pela amizade e pela oportunidade que nos dá de partilhar a nossa história e de conhecer outras histórias.

 

Cristina e Jorge"

  Francisco 4

 

 Fotografias cedidas pelos pais do Francisco

 

Ser Prematuro®  2007 - 2017                                                                                                                                              O autor agradece  a colaboração de todos os pais