Carolina07 13082004 blog

A Carolina nasceu em Agosto de 2004  com 36 Semanas de gestação e com 1740 gramas de peso.

 

Este é o testemunho da mãe da Carolina:

"Tudo começou quando eu e o meu marido resolvemos aumentar a nossa família,foram cerca de 4 anos de longa espera, e a tão desejada gravidez teimava em não aparecer.

Foi duro, mas quando menos se esperava e já com tratamentos de infertilidade marcados,consegui finalmente  engravidar, as coisas não correram bem e às 14 semanas acabei por abortar,foi o desabar de um verdadeiro sonho,mas qual não foi nosso verdadeiro espanto quando um mês depois engravidei novamente. Foi um período muito muito difícil porque os primeiros 4 meses foram de repouso absoluto sem poder sair da cama pois as hemorragias teimavam em  continuar a aparecer. A partir das 16 semanas tive alta do repouso e a gravidez a partir dai desenrolou-se normalmente, apesar do meu médico me avisar de que a bebé iria nascer com cerca de 2250Kg o que para mim não foi estranho.
No entanto na madrugada de 5 para 6 de Agosto de 2004 (36 semanas) comecei com contracções de 8 em 8 minutos e como tal apesar de  ainda faltar cerca de um mês para a data prevista para o parto fui ao Hospital Amadora/Sintra, apesar de ir convencida de que voltaria  para trás, mas tal não aconteceu. Já estava com 4 dedos de dilatação e previa-se que o parto pudesse ocorrer em breve, mas tal não aconteceu. Ao ligarem-me ao CTG cerca das 3h00 da manhã mal conseguiam sentir os batimentos cardíacos da bebé,no entanto aguardou-se e aguardou-se até cerca das 11h30 da manhã de dia 6 de Agosto, a dilatação não surgia e a bebé estava em sofrimento, a solução foi a cesariana e assim nasceu a coisa mais especial do mundo a minha Carolina, mas muito pequenina com 42cm e 1740Kg e mais inacreditável nasceu no dia do meu aniversário.
Fiquei apavorada pois nunca tinha visto um bebé tão pequenino mas perfeitinha, de imediato foi para a incubadora, onde permaneceu cerca de 1 mês e 10 dias, que para mim foi o tempo mais longo do mundo. Também aqui foram surgindo alguns percalços, pois no seu segundo dia de vida surgiu-lhe sangue nas fezes, tendo-lhe sido diagnosticada uma pequena infecção no aparelho digestivo, o leite  foi alterado e passou a ingerir quantidades mínimas através de uma sonda, para nós foi uma dor enorme. Cada aumento de 5mg de leite para nós pais era uma verdadeira vitória, mas aquele ser pequenino continuava e manteve sempre uma vitalidade excelente.
Quando tudo apontava para a Carolina ter alta, algo triste aconteceu ao mudar-lhe a fralda para a vestir e trazer para casa novamente surgiu sangue nas fezes e a alta foi cancelada, foi muito duro. Posteriormente e ao fim de mais algum longo tempo a Carolina ia ter alta  novamente, mas tal voltou a não acontecer pois descobriu-se que a Carolina tinha refluxo e como tal tinha que ficar mais algum tempo em observação, mudar-se novamente o leite e tentar perceber qual o grau de refluxo, aí eu desabei, se  não fosse a força do meu marido, da minha mãe e dos excelentes profissionais que trataram da Carolina eu não sei onde teria ido buscar forças. Mas ao fim destes longos dias, quando menos eu esperava (foi no dia em que o meu marido começou a trabalhar) ao chegar ao hospital foi-me dada a informação que a Carolina estava bem, tinha  refluxo mas que podia ir para casa. Foi sem duvida o dia mais feliz da minha vida.
Nunca se chegou a conclusão nenhuma sobre o baixo peso à nascença, apenas nos foi dito que o crescimento intrauterino deve ter parado cerca das 26 ou 28 semanas, fizeram-me exames a mim e à bebé mas não havia motivo nenhum para que tal tivesse acontecido.Hoje  a Carolina tem 3 anos, desenvolveu-se segundo os parâmetros de crescimento das crianças da idade dela e está óptima.
Para mim foi uma verdadeira lição de vida. E ela foi uma grande lutadora."



Carol 1A Carolina em Agosto de 2007 com 3 anos.


                                                                                                                    Fotografias cedidas pelos pais da Carolina

Ser Prematuro®  2007 - 2017                                                                                                                                              O autor agradece  a colaboração de todos os pais