francisc_1

 

O Francisco nasceu em Setembro de 2007 com 31 Semanas de gestação e com 1270 gramas de peso

 

 

 

 

francisc_5.

 

 

Após um período de internamento de cerca de 2 meses o Francisco foi para casa

 

 

 


.
Este é o testemunho da mãe do Francisco:

francisc_2"O Francisco nasceu em 25 de Setembro de 2007 com 31 semanas de gestação. Pesava 1270 gramas e media 38 cm.
Era o nosso primeiro filho e tudo estava a correr lindamente, até ao dia em que fui à urgência do hospital de Guimarães porque  sentia dores no peito. Achava que era cansaço mas, quando cheguei, tinha as tensões arteriais altíssimas e as análises feitas ao sangue também não estavam nada bem. Fiquei internada. De repente tudo desmoronou. Quando ouvimos a médica dizer que provavelmente ficaria no hospital até o bebé nascer e que, logo naquele dia (21 Setembro), iria levar uma injecção para acelerar a  maturidade dos pulmões do bebé, percebemos que algo não estaria bem. No dia seguinte foi-me diagnosticada uma doença de gravidez que se chama “pré-eclampsia”. Foi-me dito que teria que ser controlada, dando-me a entender que  estaria ali, de facto,  até o bebé nascer, ou seja, supostamente  até final de  Novembro. Mas, assim não foi.
No dia 25 de Setembro o Francisco nasceu por cesariana às 16:15h. Nem queríamos acreditar. Com 1270 gramas, tão pequenino, e já estava cá fora. O Nuno(pai) viu o Francisco logo no próprio dia e tirou n fotos que me mostrou. Sinceramente, não consegui ficar feliz. Só pensava porque é que aquilo estava a acontecer e como  é que o bebé iria sobreviver, que consequências poderiam advir da sua prematuridade, para além da culpa que não conseguia deixar de sentir.
Só consegui ver o Francisco 2 dias depois. Foi um choque. Nas fotos até nem  parecia muito pequenino mas, ao vivo, era tão magro e  tão francisc_3estranho vê-lo com tantos fios, com sonda, com oxigénio, dentro daquela caixa de vidro, com  os olhos tapados… De facto, não foi aquilo que imaginamos para o nascimento do nosso filho. Mas pronto, assim foi!
O tempo foi passando e o Francisco ia aumentando de peso todos os dias e não precisava de oxigénio. Estava tudo a correr bem. As(os) enfermeiras(os) só nos diziam: “Um dia de cada vez, um atrás do outro” e, à medida que o tempo ia passando, mais ansiosos ficávamos para ele vir embora. Fazíamos a conta aos dias que ele ainda teria que ficar até ter 2 quilos, contando com as graminhas que ele aumentava todos os dias.
Mas, não era bem assim. A ansiedade só nos prejudicava. O Francisco a tingiu os 2 quilos passadas 4 semanas mas não teve alta. Ainda esteve internado mais 3 semanas porque não se alimentava sozinho. Aí, percebemos que de facto teria que ser um dia atrás do outro, a ansiedade não levava a nada. O Francisco já era um lutador. Não podíamos exigir ainda mais do pequenino. Já muito fazia ele.
francisc_4Na hora de vir embora e deixá-lo na NEO, apoderava-se sobre nós uma enorme  tristeza. Desde o dia em que o  Francisco nasceu até ao dia em que teve alta chorei todos os dias. Uns mais que outros, mas todos os dias chorava. Era mais forte que eu.Só quem passa por aquilo, só quem vive na primeira pessoa, é que consegue perceber pelo que os pais passam, o medo que sentem ao ouvir o monitor do nosso filho alarmar. Havia noites em que ouvia os monitores quando estava na cama a tentar dormir.
Mas, com o tempo, o Francisco foi melhorando e no dia 15 de Novembro teve alta. Foi uma alegria enorme. Finalmente o   nosso bebé ia embora. Finalmente podíamos fazer o bercinho dele, usar os cremes dele, preparar o banho na banheira dele, dormir no mesmo quarto que ele, podia usar a chupeta dele e o resto da família podia finalmente conhecê-lo. Enfim, estava na casa dele.
Também não nos podemos esquecer das  outras mães que, partilhando experiências, sempre íamos passando  melhor o tempo  e  ficávamos com uma esperança maior de que tudo iria correr bem.
À mãe da Francisca e do João, à mãe da Ana Patrícia, à mãe da Lara e da Erica, à mãe do Ruben, à mãe do  Ricardo, à mãe  da Amélia e da Rita, à mãe da Carolina e à mãe do outro Francisco, obrigada pela convivência e boa disposição, esperando que tudo continue a correr bem.
Para além da enorme tristeza de ter o nosso filho internado durante tanto tempo, não podemos deixar de dizer que a Neonatologia do Hospital de Guimarães é uma escola para os pais. De facto, quando o Francisco veio embora, estávamos perfeitamente à vontade  para tratar dele porque, quando surgia alguma dúvida, podíamos fazer qualquer pergunta porque tínhamos sempre resposta por  parte das(os) enfermeiras (os), auxiliares ou médicos(as). São profissionais atenciosos, com uma grande disponibilidade, acessíveis e, acima de tudo, muito humanos.
A toda a equipa, o nosso muito obrigado por tudo e OBRIGADA POR EXISTIREM.
Um obrigado especial ao enfermeiro Paulo por ter criado este site que é bastante encorajador para os pais".

                                 Um abraço",

                                                                 Cidália e Nuno 

 

francis_anivO Francisco com 1 ano


.
                                                                                       Fotografias cedidas pelos pais do Francisco

Ser Prematuro®  2007 - 2017                                                                                                                                              O autor agradece  a colaboração de todos os pais