edu_1

 

 

 

O Eduardo nasceu em Abril de 2007 com 25 semanas de gestação e com 765 gramas de peso.

 

 

 

 

edu_3

 

 

 

O Eduardo em Agosto de 2007 com cerca de 4 meses de idade e ainda com necessidades de oxigénio.

 

 

 

 

..
Este é o testemunho dos pais do Eduardo:

edu_2"O Eduardo nasceu no dia 12 de Abril com apenas 25 semanas e 1 dia, pesava 765 gr e media 32 cm. Era a minha  primeira gravidez, e como todas as mães, sonhava que seria tudo um mar de rosas… mas não foi isso que aconteceu.

No dia 12 fui a uma consulta de ginecologia e a doutora detectou que algo se passava de muito mal, com o meu bebé e comigo.
Fui de imediato internada no hospital de FAMALICÃO, onde me fizeram exames, exames esses que detectaram que ambos corríamos risco de vida. Então fui transferida de ambulância para o hospital de GUIMARÃES e, quando lá cheguei, já estavam a minha espera para me fazerem novos exames. Então fiz uma ecografia e a doutora disse que tinha que tirar o meu bebé pois ele só tinha 40% de hipóteses de sobreviver e eu também corria risco de vida. Como é horrível ouvir dizer que temos que optar pela vida de um de nós. Como devem imaginar eu e o pai sentimos um choque, uma angustia, um sofrimento e eu pensava, porque  me está a acontecer isto a mim ????
Preparam tudo para me fazer uma cesariana, eram 20.30h quando fui levada para o bloco. Como me custava ver o pai ali ao meu lado a chorar, era tão triste.
Às 22h o meu bebé tinha nascido e foi logo levado para os cuidados intensivos, e eu também. No dia seguinte fui para um quarto onde  estava sozinha, eraedu_5 muito triste ouvir os outros bebés a chorar, ver o berço ao lado da minha cama vazio, era sim um vazio que sentia.

Chegou o pai e perguntei-lhe: - COMO ESTÁ O NOSSO BEBÉ?

Ele, com o rosto cheio de lágrimas respondeu-me: - ELE É TÃO BONITO, MAS MUITO PEQUENINO.

O doutor tinha-lhe dito que teríamos que esperar pelas primeiras 48h pois tinham que saber se ele aceitava bem a medicação.
Passaram-se 4 dias e eu ainda não conhecia o meu bebé. Até que chegou o dia de conhecer o meu pequenino, foi um choque entrar naquela unidade pois tudo aquilo que via era muito assustador, principalmente, porque estava lá o meu pequenino dentro de uma incubadora, tão frágil. Ele estava cheio de fios, ventilado, com muitas seringas de medicação, maquinas a tocar, ele a ser picado, aspirado, muitas transfusões de sangue… Era arrepiante ver aquilo  tudo á minha volta, mas tinha que enfrentar aquilo pois o meu bebé precisava de mim.

Foram-se passando os dias e ele ali sempre a lutar pela vida e eu como não podia fazer nada rezava, pedia a DEUS, A  NOSSA SENHORA E A TODOS OS SANTOS para o ajudar a vencer.
Triste era quando perguntava aos doutores se o meu bebé estava a melhorar, e eles respondiam sempre igual: - TEMOS QUE VIVER UM DIA DE CADA VEZ, DAR 1 PASSO PARA FRENTE E 4 OU 5 PARA TRÁS.

Mais triste foi quando eu perguntei se ele estava melhor e responderam-me assim: - SABE COMO É, ELE HOJE ESTÁ ASSIM MAS AMANHÃ PODE FALECER.

Não há palavras para descrever o que eu senti naquele momento, sobretudo quando se trata de um filho, mas, é mesmo assim a lei da vida.
O tempo foi passando e o meu bebé ali sem melhorar, até que um dia teve que ser ventilado com um ventilador de alta frequência, mas eles não sabiam se iriam ter bons resultados pois não tinham conhecimento de nenhum bebé com aquele tipo de ventilação. Aquilo fazia uma vibração tão forte, pois tinha que edu_4desenvolver os pulmões. E assim foi ficando até que um dia cheguei lá e já não estava com  esse ventilador mas sim com o CPAP, já era uma vitória pequenina. Ele  tinha conseguído melhorar um bocadinho mais, mas foi por poucos dias, pois teve outra recaída e foi novamente ventilado. Mas nesses dias tive uma alegria muito grande, pois pela primeira vez peguei no meu EDUARDO, ele já tinha mais de 2 meses. Foi tão bom senti-lo tão perto de mim; foi o dia mais feliz da minha vida.
Passaram-se muitos dias e novamente colocou o CPAP, mas não voltou a colocar o ventilador de alta frequência. O tempo foi passando até que ele já tinha 3 meses e meio quando no dia 16 de Julho vestiu pela primeira vez um fatinho azul e ficou com oxigénio por bigode (cânulas) nasal. Mais uns dias de alegria e pedia sempre a DEUS para o ajudar. Mas DEUS e pai existem mesmo, pois o meu pequenino estava a melhorar dia a dia.

Em Agosto fez uma cirurgia aos olhos no hospital S.JOÃO, esteve lá um dia e meio, depois regressamos a GUIMARÃES novamente.

No dia em que fez 5 meses viemos para o hospital de FAMALICÃO, custou-me muito deixar aquela unidade onde nos trataram tão bem, muito chorei pois foram 5 meses naquela unidade.

Chegando a FAMALICÃO vi que não tinha nada a ver com GUIMARÃES. Passámos duas semanas lá e no dia 22 Setembro o EDUARDO vinha pela primeira vez a sua casa; como foi bom vê-lo em casa.

Eu nem acreditava que o meu pequenino estava em casa, com o oxigénio, mas não fazia mal. Como vêem é um testemunho muito triste mas que neste momento esta a ser muito bom pois DEUS deu-me um filho lindo, mas acima de tudo um grande lutador e vitorioso.Ele agora encontra-se em casa e espero que sejaedu_6 para sempre. Ainda continua com oxigénio.

QUERO AGRADECER AOS ENFERMEIROS, DOUTORES, AUXILIARES E A TODO O HOSPITAL POR CUIDAREM MUITO BEM DO MEU FILHO. TAMBÉM QUERO DIZER QUE VOÇÊS SÃO PESSOAS ESPECTACULARES, COM MUITO CARINHO E PRINCIPALMENTE, PORQUE TÊM MUITO BOM PROFISSIONALISMO.

NÃO posso esquecer de dizer que conheci mamãs espectaculares, e também que tenho muito orgulho na minha família e amigos que sempre me apoiaram nos momentos que mais precisei. Espero que um dia o EDUARDO tenha um orgulho muito grande dos pais como eu tenho dos meus.

Custa muito relembrar tudo aquilo que passei mas espero que o EDUARDO tenha uma vida com muita saúde e que sejamos todos muito felizes."


MUITISSIMO OBRIGADO NEONATOLOGIA DE GUIMARÃES.

SUSANA E JORGE
PAIS DO PEQUENO EDUARDO

.
O Nosso Heroi - O Eduardo a crescer

edu_7"O Eduardo tem actualmente 17 meses, é um bebé muito lindo, mas acima de tudo com muita força para ainda continuar a lutar. Neste momento já não tem oxigenio pois sem duvida ele conseguiu ultrapassar esse obstaculo.
É um bebe que tem muita força e uma personalidade muito forte, pois só faz o que quer e quando quer, não gosta que o obrige a fazer o que não quer.
Andou muitos meses, muitos mesmos na fisoterapia onde não conseguiu aprender nada, pois o seu feitio não dava para trabalhar e também nem todas as pessoas têm muita paciência, coisa que é normal. Á pouco tempo foi para uma outra clinica para ver se era melhor para ele, e sem  duvida alguma pois foi a melhor escolha que fizemos. Nos bombeiros de Famalicão tem lá muitos terapeutas com muito bom profissionalismo, e a terapeuta do Eduardo conseguiu conquistá-lo com a sua simpatia e principalmente com a sua paciência e com o jeitinho doce que tem para as crianças e não só.
Ele já rebola para um lado e para outro, brinca muito bem, mas para se sentar ainda faz das dele. Já gatinhaedu_8 e eu sei que ele um dia vai andar sozinho, temos é que ter muita fé e esperança.
Já diz muito bem papá, bbu(avô), pupa(chupeta), olá, e também fala na lingua dele que a gente não entende. Emita os sons que o avô faz para ele, se pedir um beijinho ele atira e também sabe dar um aperto de mão. É tão bom ver o nosso grande Amor cada dia melhor.
Já tem muitos dentinhos e gosta muito de ferrar nos nossos dedos. O que ele gosta mesmo é de comer de tudo e brincar com o papá, porque ele adora as brincadeiras que ele lhe faz.
O mais importante é que cada vez fique melhor pois só o sorriso maravilhoso que ele dá ao acordar, e não só, já é muito bom.
Ele sim é a nossa maior alegria e Deus é muito nosso amigo."

BEIJINHOS!!!!!

.
Pelos pais do Eduardo em Outubro de 2008

 

edu_natal

O Eduardo em Dezembro de 2007

 

edu_9.

 edu_09

eduardo_natal09 640x480 

edu_actual1  Eduardo com 5 anos

.

Fotografias cedidas pelos pais do Eduardo

 

Ser Prematuro®  2007 - 2017                                                                                                                                              O autor agradece  a colaboração de todos os pais